Quem canta seus males espanta! É talvez por isso que os alentejanos, arrancados às suas origens, mas com as suas raízes bem irrigadas pela saudade, nostalgia e pacatez da sua terra natal, continuam a cantar sozinhos ou em grupo, como faziam nos mais diversos trabalhos no campo, como a lavoura, a monda ou a ceifa, onde não era raro ver-se e ouvir-se ranchos de moços e moças que, depois de uma jornada de trabalho, muitas vezes de sol a sol, entrarem nas suas aldeias, cantando modas que continuam atualizadas e provocam curiosidade nos mais novos e saudades e nostalgias nos mais velhos.

Nas fábricas da periferia dos grandes centros urbanos para onde se deslocou uma parte da população do Alentejo, não é raro ouvir cantar alentejano, como sussurrando porque o alentejano gosta de cantar. Sendo muitas vezes e durante muito tempo, o cante o seu único companheiro.
Foi graças a um grupo desses homens, que nasceu o Grupo Coral Alentejano O Sobreiro Baixa da Banheira Moita. Encontraram na Sociedade Recreativa União Alentejana, uma casa de acolhimento que lhes permitiu a fundação do Grupo Coral União Alentejana, em 10-06-1982. Ergueram então o estandarte com as cores daquela coletividade e levaram, com o canto alentejano, o nome da nossa Freguesia e do nosso Concelho, aos quatros cantos do nosso País e Estrangeiro.

As inscrições para potenciais dadores foram abertas e no dia 13 de Junho de 1992, dia da primeira reunião, já havia 13 pessoas inscritas para doar sangue. Dessas 13 pessoas foram escolhidas 5 para formar a Comissão Instaladora que tinha por missão elaborar os Estatutos e legalizar a Associação.

Um desentendimento com a sua casa de acolhimento, abalou mas não derrubou a estrutura do Grupo, que encontrou na U.D.C. Banheirense, a sua nova casa. Foi uma mais valia para esta coletividade que viu, de um dia para o outro, o seu nome promovido e divulgado de norte a sul do nosso País, com um ponto alto quando as cores daquela coletividade encheram a totalidade do ecrã da SIC, transmitindo para todo o território nacional, o cante alentejano do Grupo Coral Alentejano Saudades do Alentejo, no horário nobre da televisão.

Foram seis anos de representação com dignidade e respeito pela casa que os acolheu. Agora, adulto e solidamente estruturado por razões diversas, o grupo entendeu que a mais valia que criava, devia reverter em benefício próprio. Assim, em 28.02.2009, criou a sua própria sede e, com ela, foi o Cante Alentejano que venceu, porque sem ele, devido às múltiplas adversidades, o Grupo não teria sobrevivido.

Em sua casa, o Grupo Coral Alentejano O Sobreiro Baixa da Banheira Moita, é reconhecido e apoiado, como sempre tem sido, pelos nossos autarcas que, como é sabido, propiciam e apoiam a criação de associações que promovam e divulguem a cultura.

O Grupo Coral Alentejano O Sobreiro Baixa da Banheira Moita tem a sua sede na Rua Alves Redol, nº 24-A, na Baixa da Banheira, e é composto em permanência por 25 a 30 elementos e o seu ensaiador de sempre, é o Sr. José Manuel de Brito, que faz também os arranjos que conferem ao grupo, toda a sua originalidade.

A sua bandeira policolorida que se enquadra perfeitamente nas cores da sua Autarquia ostenta ao centro de fundo dourando, um Sobreiro que é o símbolo do Grupo.

Porque não me estarem a respeitar, desliguei-me daquela gente para continuar a cantar. Tornei-me independente.

Sou o sobreiro que não temeu. Alguém que com arrogância quis sugar por ganância. Aquele que tanto lhe deu, e nem sequer percebeu que o que eu queria era cantar e não podia aceitar o que tinham preparado. Então parti magoado, por não me estarem a respeitar.

Ate a minha identidade me quiseram roubar, não souberam enfrentar a situação com verdade e com tamanha falsidade, agindo de maneira indecente. Enganaram toda a gente e como estava a ser maltratado, dei o assunto por encerrado. Desliguei-me daquela gente.

O grupo de homens que escolheu a minha imagem para seu emblema, por conhecerem o meu lema, que é dar o que Deus me deu, tanto eles como eu. Temos virtudes de louvar, ambos gostamos de dar, em grupo ou a sós. Eu fruto e pele e eles a voz para continuar a cantar.

Apesar de robusto e temido, não falto ao respeito a ninguém, mas exijo respeito também àqueles com que eu lido. Assim sempre comigo tem sido, pois respeito toda a gente, mas hoje infelizmente para não ser enxovalhado, e poder cantar descansado, tornei-me independente.

Morada: Rua Alves Redol, nº24 A, 2835-059 Baixa da Banheira
Telefone: 30 976 79 26
E-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.